Curiosidades sobre a higiene na Idade Média

Curiosidades sobre a higiene na Idade Média

Na Idade Média, não existia o saneamento básico, água potável, estação de tratamento de esgoto, enfim, tudo era reciclado, o que significava resíduos humanos. Existiam aqueles que eram responsáveis pelo recolhimento das fezes humanas para depois vender como adubo. A urina era coletada por tintureiros, que se encarregavam de deixar couro e tecidos extremamente brancos e os ossos eram esmagados para fazer composto.

O habitual era acumular os dejetos humanos em baldes e águas residuais e, em seguida, jogá-los pela janela. Você consegue imaginar o cheiro?

O que para nós em nosso tempo é um símbolo da vida, para as pessoas medievais era o oposto. Os médicos acreditavam que o uso da água no corpo, principalmente a água quente enfraqueciam os órgãos deixando o corpo vulnerável ao ar insalubre, sendo assim, ficavam expostos as doenças e poderiam transmitir muitos males.

Eles diziam que era necessário deixa uma camada de sujeira na pele para se proteger das doenças. Os médicos recomendavam limpar apenas o rosto e os olhos das crianças com um pano branco para remover apenas o excesso de sujeira. “Lavar com água é prejudicial aos olhos, dentes, causa resfriados e empalidece o rosto …”, de acordo com os médicos da época. E para completar, a igreja condenava a casa de banho, alegando que era um local de luxo desnecessário e pecaminoso. Não pense que para as pessoas nobres poderia ser diferente.

E você sabe como eles costumavam se banhar? Eles colocavam uma enorme banheira de água quente, onde tomavam primeiramente banho os homens, depois as mulheres, às crianças e por fim, os bebês, essa ordem tinha que ser obedecida. Você consegue imaginar a cor dessa água? Para os ricos, trocar de roupas já davam aquela aparência de limpeza.

Como era a vida sem as escovas de dentes?

Ficar menstruada naquela época era sinônimo de sujeira. As mulheres mais chiques usavam como absorvente, musgos enrolados em panos. Mas a maioria não se importava e deixava aquele sangue correr naturalmente entre as pernas. Nojento, não é mesmo?

Dentista? Não, existiam os barbeiros que arrancavam os dentes dos pacientes sem anestesia, sem nada. Na época não tinha como tratar. Estragou? Então era só arrancá-lo.

 

Bom, esses são apenas alguns dos hábitos tradicionais da Idade Média, ainda bem que evoluímos, pelo menos nessa parte.

VEJA ESSES ARTIGOS TAMBÉM:

Deixe seu comentário

Clique aqui para deixar um comentário