As 20 empresas aéreas brasileiras fora de operação

1. ATA Brasil

A empresa aérea Atlântico Transportes Aéreos foi fundada em Recife em 2001, iniciou operações com um Cessna 208 em junho de 2001, apesar de ter sido fundada em 19 de janeiro de 2001 como uma empresa de vôos sistemáticos.

As primeiras cidades que a empresa atuou foram Arcoverde, Arapirina, Campina Grande, Caruaru, Garanhuns, Paulo Afonso e Serra Talhada.

Durante o primeiro ano a ATA chegou a transportar cerca de 2 mil passageiros. Em 2002 a companhia preferiu operar somente com carga aérea, o que lhe proporcionaria maior rentabilidade. Com isso a empresa foi contratada pela Tam Express para distribuição de carga expressa nas cidades de Aracajú, Maceió e Salvador. Atualmente a empresa está paralisada e não está realizando nem os voos cargueiros noturnos.

2. BRA Transportes Aéreos

A BRA Transportes Aéreos ou Brasil Rodo Aéreo foi uma empresa de transporte aéreo brasileira. Foi fundada em 1999 pelos irmãos brasileiros Humberto Folegatti e Walter Folegatti, a BRA Transportes Aéreos dedicava-se inicialmente a voos charter.

Devido a dificuldades financeiras, no dia 6 de novembro de 2007, a BRA suspendeu suas operações, demitindo todos os seus 1100 funcionários. A suspensão seria supostamente “temporária”, à espera de um aporte de capital do consórcio Brazil Air Partners, que controlaria a empresa, e que permitiria a retomada das operações, mas isso não ocorreu.

Após a suspensão dos voos, a empresa OceanAir assumiu temporariamente alguns voos e aeronaves, de modo a atender os passageiros da BRA. A empresa se encontra em recuperação judicial e sua última aeronave foi vendida para a Puma Air.

3. Cruzeiro do Sul

Braço alemão do Sindicato Condor, a Cruzeiro ganhou o novo nome após a Segunda Guerra, com a derrota nazista. Foi uma das principais companhias brasileiras até ser adquirida pela Varig em 1975. Embora mantivesse sua frota e rotas, sobretudo para a América do Sul, a empresa desapareceu em 1993 ao ser totalmente absorvida pela Varig.

4. Flyways

A FlyWays Linhas Aéreas Ltda. ou também conhecida somente como FlyWays foi uma companhia aérea brasileira fundada em 2015 e sediada na Ilha do Governador, no município do Rio de Janeiro. A empresa deixou de operar em junho de 2016 e teve seu Certificado de Operador Aéreo (COA) cassado pela ANAC em março de 2017.

A companhia passou por dificuldades financeiras, tendo que devolver uma de suas duas aeronaves ao proprietário, por falta de pagamento das parcelas, em junho de 2016. Com salários atrasados, a outra aeronave deixou de voar por problemas mecânicos. No mesmo ano, a FlyWays foi vendida, mas a medida não surtiu efeito, o que culminou com o cancelamento de sua concessão, em março de 2017.

5. Real Aerovias

A Real foi uma empresa aérea de ascensão meteórica. Surgiu em 1945 em São Paulo e iniciou suas operações entre a cidade e a então capital federal, o Rio de Janeiro. Logo passou a comprar outras companhias menores e a voar para a América do Sul.

Em 1954 assumiu a Aerovias Brasil e com isso chegou aos Estados Unidos. Chegou a ter uma das maiores frotas de aviões do mundo, com quase 120 aparelhos e voar para o Japão. Foi também a empresa que encomendou os primeiros Electras e Convair 990 que acabaram sendo recebidos pela Varig a partir de 1961 quando foi comprada por esta.

6. Lóide Aéreo Nacional

Lóide Aéreo Nacional S/A foi uma companhia aérea brasileira fundada em 1938 como NAB – Navegação Aérea Brasileira. Passou a se chamar Lóide Aéreo Nacional em 1948. Operou até 1962 quando foi incorporada à VASP.

Em 1951 o Lóide Aéreo Nacional incorpora a companhia, Linhas Aéreas Paulistas – LAP e a TABA – Transportes Aéreos Bandeirantes.

Entre 1956 e 1958 o Lóide Aéreo Nacional e a Panair do Brasil celebraram um acordo a fim de evitar uma competição predatória. Pelo acordo, o território brasileiro foi dividido entre as empresas em áreas de influência. Também foi incluído no acordo o leasing de aeronaves. A empresa começou a declinar em 1960 e finalmente em 1962 o Lóide Aéreo Nacional foi vendido e incorporado à VASP.

7. Mais Linhas Aéreas

A Mais Linhas Aéreas é uma companhia aérea brasileira com sede em Salvador. Foi fundada em 2010 e possui autorização para fazer voos regulares domésticos e voos não regulares. Possui duas aeronaves Fokker 100 para voos domésticos de curto alcance não regulares.

Apesar de receber duas aeronaves Fokker 100 para operar voos não regulares, inicialmente, a Mais Linhas Aéreas apenas operou no Trecho Galeão – Caldas Novas, porém, não está operando nenhum voo/trecho no momento. Nos voos que realizou em 2013 obteve 76% de aproveitamento.

8. NOAR Linhas Aéreas

A Nordeste Aviação Regional Linhas Aéreas (NOAR Linhas Aéreas) foi uma empresa aérea brasileira fundada e 2009, em Caruaru (Pernambuco). Seu objetivo era o de ligar municípios do interior aos grandes centros do Nordeste do Brasil.

A ideia dos empresários caruarenses se deu pela grande demanda de voos regionais naquela região. A empresa não pretendia concorrer com as grandes companhias aéreas, mas sim preencher a lacuna deixada por elas em municípios de menor porte.

Mas, infelizmente em 13 de julho de 2011 a aeronave LET-410, prefixo PR-NOB, que fazia o voo 4896, entre Recife e Mossoró, caiu logo após a decolagem, às 06h51, ao tentar um pouso forçado Praia da Boa Viagem, causando sua explosão e morte instantânea dos 2 tripulantes e 14 passageiros.

Após o acidente todos os voos foram suspensos pela ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil e em 26 de novembro de 2014 a NOAR perdeu sua licença de operação.

Em 7 de abril de 2017 foi divulgado na imprensa que a empresa resolveu todas as pendências relativas ao acidente, em julho de 2012, e que está negociando com a Gol Linhas Aéreas a compra de uma nova aeronave regional, para 19 lugares e voltar a operar.

9. Panair do Brasil

A Panair foi uma das mais conhecidas empresas aéreas brasileiras, tendo surgido em 1929 e iniciado seus voos para Nova York logo em seguida. Ganhou o nome graças à compra pela Pan Am em 1930 e formou uma rede de rotas invejáveis logo após a 2ª Guerra. Numa atitude questionável, a governo brasileiro suspendeu seu certificado de operação em 1965, repassando suas rotas e aviões para a Varig e Cruzeiro.

10. TAM Pantanal

A então Pantanal Linhas Aéreas Sul-mato-grossense foi fundada em 23 de maio de 1993 em Mato Grosso do Sul para operar comercialmente serviços regulares de linhas aéreas de passageiros em todo o território brasileiro. Anos depois sua sede foi transferida para São Paulo, passando a se chamar apenas Pantanal Linhas Aéreas, sendo a primeira empresa aérea regional do Brasil a implantar o web check-in.

No começo do ano de 2009, em meio a uma crise financeira, entrou com pedido de recuperação judicial junto a Justiça de São Paulo. E em dezembro do mesmo ano foi anunciada sua aquisição pela TAM Linhas Aéreas por 13 milhões. Em 2013, após a incorporação com a TAM, a empresa deixou de ter aeronaves arrendadas pela LATAM Airlines.

11. Paraense Transportes Aéreos

Com sede em Belém, a companhia Paraense Transportes Aéreos foi uma empresa aérea brasileira, fundada em 1952, e encerrada em 1970.

A companhia iniciou suas atividades com um Catalina PBY-52, e em 1957 passou a operar linhas para o sul do país, com a aquisição de aeronaves Curtiss C-46C. Mas, a empresa ficou conhecida pela pouca segurança. Entre 1957 e 1958 foram adquiridos 8 C-46, mas até o final de 1965, houve 8 acidentes.

Em 1967, a Paraense recebeu 8 Fairchild Hiller FH-227B, que eram os Fokker F-27 fabricados sob licença nos Estados Unidos, que foram batizados de Hirondelle. Porém, após um ano de uso, algumas aeronaves estavam fora de serviços por falta de peças, e em 1970 a frota foi reduzida para duas aeronaves.

Em 29 de maio de 1970 o governo cancelou a autorização de funcionamento da Paraense, se apropriando dos aviões que ainda restavam, e os repassaram para a Varig.

12. Puma Air

A Puma Air foi uma empresa com sede na cidade de Belém do Pará, fundada em 2002, a Puma Air começou como operadora charter e táxi aéreo. Inicialmente a empresa operou voos regulares em cidades do interior do Pará, Amapá e Maranhão, com um Embraer 120. A companhia aérea tinha o objetivo de alçar um voo mais alto, com a incorporação de jatos. No entanto, devido às sérias dificuldades que a empresa vinha enfrentando, decidiu por suspender suas atividades regulares temporariamente em 2008, e está de volta ao mercado depois de grandes investimentos em treinamento, pessoal e aeronaves.

Quando a Puma Air completou 1 ano depois de suas operações, a companhia aérea sofreu uma crise, houve uma paralisação de seus voos por um tempo indeterminado, depois de várias contestações e aparições em noticiários, a Puma Air anunciou em seu site e por meio da imprensa que voltaria renovada em julho de 2011.

Em agosto de 2011 encerrou o contrato de formação de pilotos e comissários junto à Flex Aviation Center e em setembro do mesmo devolveu os espaços que ocupava nos aeroportos de Belém, Fortaleza e Guarulhos.

Em Janeiro a empresa teve o seu Hangar em Belém lacrado por oficiais de justiça e em 8 de Fevereiro de 2012, teve sua falência decretada. As dívidas que a Puma Air deixou beiram os R$300mil.

13. Rico Linhas Aéreas

A Rico Linhas Aéreas S/A foi uma companhia aérea regional brasileira com sede no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, autorizada a operar transportes de passageiros e serviços de carga na região amazônica.

A companhia foi fundada em 1960, reorganizada em 1 de junho de 2010, mas em 7 de junho de 2011 teve sua licença de operação cassada.

No entanto, a crise econômica de 2008 forçou Rico a diminuir drasticamente o tamanho de suas operações: entre janeiro e setembro de 2008, a Rico cancelou 90% de suas operações reduzindo sua participação para 0,02% do mercado e operando apenas dentro do estado do Amazonas.

Suspendeu temporariamente todos os voos regulares desde 01 de junho de 2010 para uma reestruturação operacional. Porém suas aeronaves estavam disponíveis para serem fretadas. Em 7 de junho de 2011, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) cancelou sua licença de operação devido à falta de estrutura da empresa alegando falta de segurança na prestação do serviço. Em outra ocasião a ANAC também suspendeu as operações da Rico por uma semana por motivos semelhantes.

14. TAF

A TAF Linhas Aéreas S.A. foi uma empresa aérea brasileira com sede na cidade de Fortaleza, estado do Ceará. Atualmente existe uma parte dela como Táxi-aéreo esporádico, usando Cessna Caravan 208.

Empresa cearense de táxi aéreo sediada no Aeroporto Internacional de Fortaleza, a TAF, criada no início da década de 60, cresceu e resolveu entrar no mercado de voos regulares, com a desregulamentação promovida pelo governo. Em 17 de fevereiro de 1996, passou a se chamar TAF Linhas Aéreas S.A., começando a operar como linha aérea regional em 1º de março daquele mesmo ano.

A TAF não opera mais voos comerciais regulares, atuando atualmente no serviço de taxi-aéreo com base no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. A empresa opera um Cessna 208 Caravan.

15. Transbrasil

A Transbrasil (1955-2002) foi uma companhia aérea brasileira, que figurou entre as três maiores do ramo em operação no país, atrás da hoje também extintas Varig e VASP.

Fundada em 5 de janeiro de 1955 sob o nome inicial de Sadia S.A. Transportes Aéreos, a Transbrasil encerrou suas atividades em dezembro de 2001 e sua falência foi decretada no início de 2002.

16. Viação Aérea São Paulo (VASP)

A Viação Aérea São Paulo (VASP) foi uma empresa de aviação comercial brasileira com sede na cidade de São Paulo. A companhia deixou de operar em 2005 e teve sua falência decretada pela Justiça de SP em 2008.

Em 2004, seu último ano de operação, transportou 2.454.275 passageiros com uma queda de 19,2% no volume transportado comparados os anos de 2004 e 2003. Neste período sua demanda(RPK) caiu 19,7%. Já tinha deixado de voar para 7 cidades brasileiras quando o DAC impediu a empresa de voar com alguns de seus Boeing 737-200.

Em 10 de março de 2005 a VASP sofreu intervenção, a pedido do Ministério Público do Trabalho do Estado de S.Paulo, do Sindicato Nacional dos Aeroviários e do Sindicato Nacional dos Aeronautas. Em junho o passivo da empresa era de R$ 3,3 bilhões de reais. A VASP necessita hoje de US$ 500 mil dólares para colocar em operação, devidamente revisados, 2 Boeing 727-200 e 1 Boeing 737-200 no setor de cargas.

Em janeiro de 2006 seu setor de manutenção voltou a operar, dentro dos prazos previstos no cronograma de recuperação da empresa. Segundo o documento, no mês de março, deverão retomar as operações com os cargueiros mencionados. O plano foi elaborado por uma consultoria, que tem a frente o ex-ministro Maílson da Nóbrega e um escritório de advocacia.

Até novembro de 2006 a VASP já tinha atendido em seu Centro de Manutenção, em Congonhas, aeronaves da Air Brasil, BRA e Skymaster. A empresa ainda planeja voltar a voar.

17. Transportes Aéreos da Bacia Amazônica TABA

A Transportes Aéreos da Bacia Amazônica, mais conhecida pela abreviatura TABA, foi uma companhia aérea brasileira, fundada em 1976 e encerrada em 1999.

Em 1976 o coronel Marcílio Gibson Jacques vendeu para a VASP o Lóide Aéreo Nacional. Com o dinheiro comprou uma pequena empresa de táxi aéreo, chamada NOTA.

Com a vigência do SITAR (Sistema de Transporte Aéreo Regional), o coronel fundou então a TABA (Transportes Aereas Bacia Amazonica) e encomendou 15 EMB-110 Bandeirante junto à Embraer, além de modelos Fairchild FH-227 e Curtiss C-46 Commando, que operavam em outra companhia da região.

Em 1983 trouxe 2 British Aerospace BAe 146, que por falta de manutenção e pagamento, foram retomados pelos arrendatários.

Numa tentativa de desenvolver a companhia, novas aeronaves, como o holandês Fokker F-100 e o De-Havilland Dash-8 foram incorporadas à frota, mas a TABA encerrou suas atividades em 1999 após ter se desfeito de toda sua frota.

18. Varig

Viação Aérea Rio-Grandense, mais conhecida como Varig, foi uma companhia aérea brasileira fundada em 1927 na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, pelo alemão Otto Ernst Meyer. Foi a primeira companhia aérea brasileira a ser fundada.

Entre as décadas de 1950 e 1970, a Varig foi uma das maiores e mais conhecidas companhias aéreas privadas do mundo, sendo comparada diversas vezes com a Pan American World Airways, maior companhia aérea do mundo na época. Nessa época, a Varig operava rotas internacionais para América, Europa, África e Ásia, utilizando inicialmente os Lockheed Constellation e Douglas DC-6, posteriormente os Boeing 707 e Sud Aviation Caravelle e finalmente com os Douglas DC-10 e Boeing 747.

Em 20 de julho de 2006, após ter entrado com processo de recuperação judicial, teve sua parte estrutural e financeiramente boa vendida para a Varig Logística através da constituição da razão social VRG Linhas Aéreas, a qual, em 9 de abril de 2007, foi cedida para a Gol Linhas Aéreas Inteligentes.

19. Webjet Linhas Aéreas

Webjet Linhas Aéreas foi uma empresa aérea brasileira que operava no conceito low cost low fare (companhia aérea de baixo custo, baixa tarifa). Sua sede estava localizada na cidade do Rio de Janeiro. Iniciou suas operações aéreas em julho de 2005.

Deixou de operar em 23 de novembro de 2012, após a aceitação do CADE da compra feita pela Gol Linhas Aéreas, sendo assim demitidos 850 funcionários nos meses seguintes da conclusão da incorporação com a companhia aérea Gol Linhas Aéreas.

20. Brava Linhas Aéreas

A Brava Linhas Aéreas, anteriormente denominada NHT Linhas Aéreas, é uma companhia aérea brasileira com sede na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, que se encontra inoperante. Criada pela holding JMT, de Santa Maria, comandada pelo empresário Pedro Teixeira, foi vendida ao Grupo Acauã, do empresário Jorge Barouki, com base em Balneário Camboriú, quando passou a usar a marca atual.

Fontes revelam que vários voos foram cancelados pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) em 18 de dezembro de 2013, devido a falta de pagamento de funcionários e crise financeira.

A Brava atuava no mercado desde agosto de 2006 e seu principal objetivo era operar no mercado de voos regionais, conectando Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba a diversas cidades industriais e turísticas da Região Sul.

Ficou conhecida por ter operado os dois voos comerciais mais curtos da América do Sul, que são respectivamente as rotas Rio Grande (RS)-Pelotas (RS) e Santa Rosa (RS)-Santo Ângelo (RS).

FONTE: Wikipédia

Recomendamos:

Deixe seu comentário

Clique aqui para deixar um comentário