Veja porque mantemos um minuto de silêncio

Veja porque mantemos um minuto de silêncio

Guardar um minuto de silêncio antes de uma morte ou desastre é uma tradição antiga e tem uma origem interessante.

Diplomata brasileiro

A versão mais difundida sobre a origem do gesto é que ele tenha ocorrido pela primeira vez em Portugal, quando o Parlamento português recebeu a notícia do falecimento do diplomata brasileiro Barão do Rio Branco em 10 de fevereiro de 1912, mantendo-se em silêncio por 10 minutos.

Vítimas da Guerra

Após o fim da Primeira Guerra Mundial em 11 de novembro de 1919, foi onde iniciou se o minuto de silêncio para lembrar as vítimas da guerra.

O soldado e jornalista Edward George mel escreveu uma carta ao jornal londrino Evening News onde pedia uma salva de cinco minutos de silêncio em 11 de novembro, para as vítimas da Primeira Guerra Mundial. Edward considerou que a forma como era realizada o fim da guerra, dançando, bebendo e se divertindo não era uma forma respeitosa e honrada para lembrar dos bravos soldados que morreram lutando na guerra,  ficando a data conhecida como Dia do Armistício.

 

A princípio a carta escrita por George não foi amplamente aceita, mas após várias tentativas a carta chegou ao rei George V. King George que achou uma boa ideia e deu a sua aprovação. Ele declarou o 11º como o dia de lembrança silenciosa para as vítimas da Primeira Guerra Mundial, no entanto, em vez de cinco minutos pedindo Edward, dois foram realizados.

Independentemente dos minutos que são salvos, é assim que esta tradição tem sobrevivido até hoje.