Qual país poderia ser o primeiro a eliminar o dinheiro?

eliminar dinheiro vivo

Qual país poderia ser o primeiro a eliminar o dinheiro?

A nota de 500 euros entrou em circulação há 15 anos, porém o seu tempo de vida parece estar chegando ao fim, de acordo com o anúncio do Banco Central Europeu. Esse acontecimento poderá ocorrer entre 2016 e 2018. A nota permanecerá em circulação durante esse período, e mesmo depois de 2018, ainda serão aceitas pelos bancos, até sua extinção total.

Esta medida, que tem sido discutida, foi parcialmente ofuscada por um passo ainda mais radical pelo governo da Dinamarca, que cogitou eliminar completamente o dinheiro em 2016.

Apenas cerca de 50% dos europeus já utilizaram a nota de 500 euros, já os outros 50% nunca nem viram uma nota de valor tão alto. Dizem que essa nota é muito utilizada para atividades ilícitas, como o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro; e a partir do século passado que na Dinamarca o uso de moedas e notas caíram drasticamente, pois todos os adultos possuem cartões de crédito e fazem a maior parte das transações através dos caixas eletrônicos.

O governo dinamarquês tem incentivado o uso de cartões em restaurantes, lojas de vestuário e postos de gasolina, sendo implementadas em todas as políticas econômicas, porque produzir e manter o dinheiro tem custos econômicos altos que vão desde a emissão de notas até sua substituição. A Dinamarca tem uma estrutura digital de muita confiança, portanto 75% dos cidadãos dinamarqueses tem realizado transações usando a plataforma eletrônica, e uma grande porcentagem nem transitam mais as notas ou moedas.

Outro governo que estuda a eliminação do dinheiro é o Equador, mas por razões diferentes e em contexto diferente da Dinamarca. Rafael Correa, o presidente do Equador chegou a anunciar no final do ano de 2014 que seria implementado um sistema de caixa eletrônico para facilitar o acesso a este recurso por uma parcela mais ampla da população, onde a vantagem inicial seria reduzir a circulação da moeda, o governo deve substituir cerca de 1.200 milhões de dólares por ano e aumentar o acesso dos cidadãos equatorianos ao dinheiro virtual, que se movem através do serviço de celular, independente da Internet.

Há utilização do dinheiro eletrônico reduziria ao Estado despesas financeiras de muitos serviços e infra-estrutura que giram em torno da manipulação de dinheiro, além da redução drástica do abatimento de florestas, além da questão da saúde, uma vez que o dinheiro é considerado um dos meios mais sujos, devido ao dinheiro passar por milhões de mãos que transmitem bactérias e vírus, dentre outras doenças.

Também se tornaria mais fácil rastrear a origem do dinheiro, ficando mais difícil a evasão fiscal, pois as transações eletrônicas não são tão fáceis de esconder como aqueles feitas em dinheiro.

Mas por fim, nem a Dinamarca, nem no Equador acreditam que o dinheiro possa desaparecer por completo, mas já é um grande passo para poder tornar essa proposta uma realidade, mas o economista equatoriano Fausto Valencia, Diretor de Projeto Eletrônico Dinheiro Banco Central do Equador, acredita que sua próxima geração ainda viverá em uma sociedade onde o dinheiro prevalecerá.

VEJA ESSES ARTIGOS TAMBÉM: