Por que adquirimos o hábito de roer as unhas?

Existem muitos tipos de tiques nervosos. Algumas pessoas simplesmente roem unhas, outras tem tiques nervosos na sobrancelha, ficam enrolando as pontas dos cabelos, algumas piscam demasiadamente, já outras tem movimento involuntário das mãos, enfim, uma variedade gigantesca de manias. É um mundo realmente curioso e vale a pena estudá-lo. Mas dessas manias, a mais comum é a de roer as unhas.

Agora vamos entender porque esse tipo de reação.

Roer unhas é mais conhecido como onicofagia pelos especialistas, que são aquelas pessoas que possuem o hábito de roer as unhas das mãos ou dos pés durante períodos de nervosismo, ansiedade, estresse, fome ou tédio, mas que também pode ser considerado um sinal de problemas mentais ou emocionais. As crianças começam a roer as unhas por volta dos quatro ou cinco anos de idade, podendo ter a tendência de parar com o tempo, ou continuar com o hábito.

Roer unhas é prejudicial à sua saúde, uma vez que é o transporte direito de germes que vivem embaixo da superfície da unha até a sua boca, podendo transmitir fungos, bactérias ou vírus. Como muitos patógenos têm a habilidade de viver dentro da unha, o hábito de roer unhas pode aumentar as chances de danos à saúde.

Dependendo do grau desse hábito, o que normalmente são aquelas pessoas mais compulsivas, pode levar alguns a não somente roer as unhas, mas, mas também a pele ao seu redor e a cutícula, possivelmente rompendo a pele. Uma pele rompida fica totalmente exposta à infecções oportunistas de micróbios e vírus. Esses patógenos podem se espalhar entre os dedos pela boca.

Roer unhas também pode atrapalhar no dia a dia por restringir o uso das mãos. Um roedor de unhas compulsivo pode ter sua habilidade para trabalhar restringida, como, escrever, digitar, desenhar, tocar instrumentos de corda, uma vez que muitos compulsivos roem até machucar. Além de que, o hábito de roer desgasta o esmalte dos dentes incisivos com o tempo, podendo gerar cáries nessas áreas.

De acordo com estudos cerca de 45% dos adolescentes comem unhas, mas uma grande porcentagem acabam perdendo o hábito quando crescem. É verdade que esse hábito em algumas pessoas já pode ser considerado como uma doença, ou seja, um distúrbio obsessivo-compulsivo que necessita de tratamento que pode durar longos anos, se você se identifica com esses caso, procure um especialista o mais rápido possível.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

REDES SOCIAIS

Parceiro