Bizarro Curiosidades

Estadunidense é conhecida por comer barras de sabão

Uma jovem estadunidense que mora na Flórida é conhecida por comer cerca de cinco barras de sabão por semana, mas os médicos afirmam que essa compulsão tóxica pode matá-la. Uma condição médica rara deixou Tempestt Henderson com essa vontade estranha de comer barras de sabão, sabão em pó e também detergentes.

A estudante de enfermagem sabe que é realmente perigoso, mas preferiu desconsiderar as advertências. Além dessa estranha condição, ela diz que adora a sensação de limpeza que o ato proporciona e também se sente muito mais limpa ao comer as barras de sabão.

Tempestt diz: “No chuveiro, eu gosto de me ensaboar com um sabonete verde, e lamber as bolhas. E como o sabonete se desintegra, eu pego uma pequena quantidade do sabonete e ponho em minha boca e o sugo. É divino!”

Foto: Coleman Rayner

Mas a explicação é a de que Tempestt Henderson da Flórida sofre de uma condição extremamente rara entre os seres humanos chamada de pica. Essa doença também é conhecida como alotriofagia ou alotriogeusia, onde a pessoa sente necessidade e um apetite muito estranho por coisas ou substâncias não alimentares, sendo eles, terra, moedas, carvão, giz, tecido, etc., ou também vontade anormal de ingerir produtos considerados ingredientes de alimentos, como diversos tipos de farinha, de tuberosas cruas (como batatas), amidos (por exemplo de milho ou de mandioca), etc.

O nome pica vem do latim e significa pega, um pássaro famoso que pode ser facilmente encontrado em toda a Europa, Ásia, Norte de África e América do Norte norte, ele é conhecido por comer quase tudo o que encontra pela frente.

A pica pode ser observada em todas as idades, mas principalmente em mulheres grávidas e em meninos e meninas, porém especialmente em crianças sofrendo dificuldades no seu desenvolvimento infantil natural.

Qual tipo de tratamento?

Medicamentos e vitaminas podem reverter essa situação, porém, em muitos casos o tratamento exige considerações psicológicas, ambientais, etc. Mas, existem alguns casos que fazendo uma leve terapia de aversão pode ajudar a reverter o quadro de pacientes sofrendo dessa condição.

Tempestt Henderson recebeu ajuda para realizar terapias comportamentais, além disso, os médicos a aconselharam a fazer longas caminhadas, e pediu para que ela evitasse ao máximo estar em lugares onde existe sabão, como supermercados, lavandeiras e cozinhas.

ESTÁ DIFÍCIL ACOMPANHAR TODOS OS ARTIGOS?
Receba diretamente em seu e-mail, um resumo com os novos artigos.

REDES SOCIAIS

Parceiro