Bizarro Curiosidades

Conheça os serial killers da área da saúde

1. Daniela Poggiali

Daniela Poggiali nasceu em Lugo, um município e cidade da Galiza, na Espanha em 1970, e foi uma serial killer italiana que matou 13 idosos, porém foi presa em 30 de março de 2016. Até agora, não se tem relatos sobre sua infância e sua experiência passada.

Daniela se tornou uma enfermeira do hospital da sua cidade, que foi onde ela começou a matar os primeiros pacientes idosos por volta dos anos 2012 e 2014 , injetando em seu corpo substâncias medicinais tóxicos ou incorretas.

Sua primeira vítima foi uma mulher de 78 anos. Além disso, ela tirou fotos com seu celular em que ela estaria ao lado de suas vítimas que estavam perto da morte.

daniela-poggiali

Em 30 de março de 2016 suas ações são interrompidas, devido uma investigação em que a polícia descobriu que a enfermeira havia matado 13 pessoas que estavam sob sua responsabilidade. Ela foi condenada a ” prisão perpétua, mas, continua a afirmar que é inocente.

Ela ficou conhecida como Anjo da Morte e acredita-se que na verdade ela tenha matado 98 pessoas. Era tão bizarro suas atitudes, que ela chegava a tirar selfies com os cadáveres.

2. Charles Cullen

Charles Edmund Cullen era um enfermeiro que nasceu em 22 fevereiro de 1960. Ele confessou às autoridades que assassinou cerca de 40 pacientes durante o curso de sua carreira de enfermagem de 16 anos.

Porém, acredita-se que ele tenha assassinado muito mais, porém ele não conseguia se lembrar especificamente dos nomes dos pacientes, mas muitas vezes se lembrava de detalhes do seu caso. Especialistas estimam que Charles Cullen pode ser responsável por mais de 300 mortes, o que faria dele o assassino em série mais prolífico na história americana. Ele alegou inocência em seu julgamento, mas foi condenado a 11 prisões perpétuas, sem direito a liberdade condicional.

charles-cullen

Cullen afirmou que administrou overdoses em pacientes, com o intuito de por um fim no seu sofrimento e evitar o prolongamento dos tratamentos. No entanto, muitas das vítimas não eram terminais e receberiam alta do hospital em breve.

3. Genene Jones

Genene Jones, nasceu em 13 de julho de 1950 é foi uma enfermeira pediátrica que matou entre 1 a 46 crianças que estavam sob seus cuidados. Ela usou injeções de digoxina, heparina e, mais tarde, succinilcolina para induzir crises médicas em seus pacientes, com a intenção de revivê-las posteriormente para receber elogios e atenção.

Muitas crianças não conseguiram sobreviver a ação bizarra que ela tinha como experiência. O número exato de assassinatos permanece desconhecido, pois foram destruído os registros de suas atividades para evitar mais litígios após a primeira condenação de Genene.

Enquanto Genene trabalhava como enfermeira profissional licenciada no Hospital do Condado de Bexar (atualmente Hospital Universitário de San Antonio) na unidade de cuidados intensivos pediátricos, um número estatisticamente desordenado de crianças morreu sob seus cuidados. Como o hospital temia sofrer um processo, ele simplesmente pediu a todos os enfermeiros, incluindo a Genene, que renunciassem à enfermagem pediátrica. O hospital não prosseguiu com qualquer tipo de investigação.

genene-jones

Então, Genene foi para uma clínica pediatra em Kerrville, Texas, perto de San Antonio. Foi lá que ela foi acusada de envenenar seis crianças. O médico do consultório descobriu marcas de punção em uma garrafa de succinilcolina no depósito de drogas, onde só ele e Genene tinham acesso.

O conteúdo da garrafa aparentemente cheio foi posteriormente encontrado pronto para ser diluído. Succinylcholine é um poderoso paralítico que provoca paralisia temporária de todos os músculos esqueléticos, bem como aqueles que controlam a respiração. Um paciente adulto não pode respirar enquanto estiver sob a influência desta droga, imagine uma criança.

Em 1985, ela foi condenada a 99 anos de prisão por matar Chelsea McClellan de 15 meses com succinilcolina. Mais tarde naquele ano, ela foi sentenciada a um prazo concorrente de 60 anos de prisão por quase matar Rolando Santos com heparina. Em maio de 2016, Genene é mantida na unidade de Lane Murray do Departamento de Justiça Criminal do Texas.

4. Donald Harvey

Donald Harvey nasceu em 15 de abril de 1952 é foi um assassino em série americano que afirma ter matado 87 pessoas, embora as estimativas oficiais apontem de 37 a 57 vítimas. Harvey afirmou que ele começou a matar para “aliviar a dor” dos pacientes. Com o passar do tempo, ele começou a sentir cada vez mais prazer em assassinar os pacientes e se auto descreveu como um “anjo da morte”.

Harvey está cumprindo 28 sentenças de prisão perpétua na Toledo Correctional Institution em Toledo, Ohio, tendo se declarado culpado de acusações de homicídio para evitar a pena de morte. Seu número de prisioneiro é A199449.

donald-harvey

Donald Harvey iniciou sua carreira como um ordenado no Hospital Marymount em Londres, Kentucky. Foi nessa época que a maconha se tornou um integrante importante em sua vida. Ele usou a droga por longos anos, mas parou após sentir frequentes palpitações cardíacas. Mais tarde, ele confessou que durante o período de dez meses que ele trabalhou neste hospital, ele matou pelo menos uma dúzia de pacientes.

Harvey afirma que ele matou puramente por um sentimento de empatia pelos sofrimentos daqueles que eram doentes terminais. Ele também admitiu que muitas das mortes que cometeu foram devido à sentimentos de raiva pelas vítimas.

A verdadeira extensão de seus crimes pode nunca ser conhecida, já que muitos não foram detectados por tanto tempo, considerado como um cruel serial killer. Harvey também é notável por ter usado numerosos métodos para matar, como arsênico; cianeto; insulina; asfixia, entre muitos outros.

A maioria de seus crimes ocorreram no Marymount Hospital em Londres, Kentucky, Cincinnati V.A. Hospital Médico e Cincinnati’s Drake Memorial Hospital.

Harvey não limitou suas vítimas a apenas pacientes hospitalares indefesos, pois quando ele suspeitou de que seu companheiro Carl Hoeweler pudesse estar lhe traindo, envenenou sua comida com arsênico para que ele ficasse muito doente e não saísse de seu apartamento.

Envenenou dois de seus vizinhos – um que estava doente, Diane Alexander, colocando soro de hepatite em sua bebida e matando o outro, Helen Metzger, colocando arsênico em sua torta. Ele também matou o pai Henry Hoeweler com arsênico.

Harvey está detido em Toledo Instituição Correcional. Sua primeira audiência de liberdade condicional está marcada para abril de 2043.

REDES SOCIAIS