As 13 coisas que podem até dar pena de morte na Coréia do Norte

coréia do norte julgamento

A população da Coreia do Norte, de cerca de 23 milhões de habitantes, é uma das populações mais homogêneas étnica e linguisticamente do mundo, com um número muito pequeno de chineses, japoneses, vietnamitas, sul-coreanos, e uma minoria de europeus expatriados.

A Coréia do Norte é um país comunista, onde tudo é muito regrado e controlado, e se mantêm totalmente isolada do mundo. Governada por Kim Jong-un, desde ao falecimento de seu pai, Kim Jong-Il, foi designado a comandar o país desde 19 de dezembro de 2011, o terceiro “líder supremo”.

É notícia devido sua liderança bizarra e de leis extremamente rígidas para os criminosos. Veja quais são as leis que foram adotadas no país que podem até levar um cidadão ao corredor da morte.

1. Dormir durante uma reunião

Nem aqueles que tem um cargo alto na empresa escapa das terríveis punições. Recentemente um dos mais importantes ministro da Defesa da Coreia do Norte foi executado publicamente com um tiro de bateria antiaérea. Isso quer dizer que, colocaram esse cidadão em um grande campo e atiraram um míssil sobre ele, só porque ele dormiu durante uma reunião com seu líder supremo, onde eles alegaram que foi um grande desrespeito.

2. Religiões

Essa questão comum e corriqueira no Brasil e em outros países de discutir sobre religião simplesmente não existe na Coréia do Norte. Até as igrejas são extremamente controladas pelo governo, uma vez que eles querem manter população “dentro dos preceitos da nação” e evitar que um revolucionário apareça. Um caso recente ocorreu quando um americano chamado Jeffrey Fowle, foi detido por cinco meses por apenas ter esquecido sua bíblia em um restaurante.

3. Ser parente de um criminoso

Familiares de criminosos no país são praticamente considerados cúmplices, uma vez que acreditam que por ser parente, o sangue que corre nas veias são iguais, ou seja, que também é de um criminoso. Isso pode dar até pena de morte, imagine o quanto apreensivo uma pessoa deve viver, com medo de algum familiar cometer um ato errôneo e você também ser condenado por simplesmente ser parente.

4. Ter o mesmo nome do “presidente”

O nome do atual ditador da Coréia do Norte é “Kim Jong-un”, portanto, ele deve ser o único com esse nome lá, pois ninguém se atreve a colocar o mesmo nome do presidente da Coréia. Um ano antes de Kim assumir o poder no lugar de seu falecido pai, começou a vigorar a lei de que ninguém poderia te o mesmo nome dele, e quem colocasse esse nome deveria urgentemente procurar as autoridades para mudar de nome. Isso ocorre porque o regime totalitário do país cultua a personalidade dos líderes da dinastia Kim, então, somente um único líder poderá se destacar, que é atualmente o presidente.

Crédito: “AFP Photo / KCNA via KNS”

5. Escolher sua própria profissão

O governo fica incumbido da tarefa de escolher sua profissão e seu trabalho. Quando o cidadão conclui o serviço militar aos 18 anos, ele é designado para a profissão conforme as necessidades do país. Então, você não pode sonhar em ser médico, dentista, engenheiro, advogado ou qualquer outra profissão, pode somente a que o governo do país escolher. Quem não obedecer essa lei pode ser forçado a ir a algum campo de trabalho forçado.

6. Mulheres com umbigo de fora

O conservadorismo reina na Coréia do Norte, baseado na “moral e os bons costumes”. Qualquer ato que incite “atividades ou instintos sexuais” são extremamente proibidos, uma vez que Kim tenta manter ordem da nação.

7. Músicas e filmes internacionais

Aqui é super comum alguém que tenha em casa uma mídia pirata ou estrangeira, mas na Coréia quem portar essas mídias é considerado um inimigo do Estado, e a punição pode variar, por exemplo, se um cidadão é detido com algum filme russo ou indiano poderá pegar até 3 anos de prisão com trabalhos forçados, já um filme sul-coreano ou americano, leva o indivíduo a pena de morte.

Mesmo a lei sendo extremamente rígida no país, o mercado de filmes e programas de TV internacionais contrabandeados só vem aumentando. Será que eles estão perdendo o respeito e o medo do seu líder?

8. Pornografia e prostituição

Se um filme contrabandeado pode dar pena de morte, imagine a distribuição de materiais pornográficos. A prostituição no país é totalmente coibido. Atividades desse tipo são consideradas “formas aceleradas de capitalismo” no país, e são totalmente proibidas no país, com pena de prisão ou execução pública.

9. Sorrir, beber e falar alto

Manifestar alegria na Coréia do Norte é uma situação muito complicada, pois determinadas datas é extremamente proibida qualquer manifestação de felicidade, como por exemplo no dia 8 de julho, quando os norte-coreanos perderam seu primeiro “Grande Líder”.  Além disso, falar alto na rua, beber álcool, dançar, é considerado desapropriado nesta data, pois o “país todo está de luto”.

10. Dirigir ou ter um carro

Normalmente, quem pode dirigir, ter carteira de motorista e um automóvel na Coréia são somente os funcionários do governo. Segundo dados, apenas uma em cada 100 pessoas tem carro no país. E as mulheres não escapam dessa lei de repressão, pois elas são proibidas de dirigir, mas contraditoriamente podem ser guardas de trânsito.

11. Fazer ligações telefônicas internacionais

Incrivelmente, uma ligação para alguém de fora do país dá pena de morte. Na Coréia existe um índice alto de casos de fuzilamento por essa razão. O governo acredita que quem liga para fora do país tem a intenção de distribuir informações sobre seu país, então, o considera um espião.

12. Viagens internacionais

Para sair do país para qualquer tipo de viagem é necessário que solicite uma permissão. As viagens convencionais de qualquer cidadão de outros países são totalmente comuns, mas na Coréia as viagens de férias são terminantemente proibidas, e estão sujeitas a penas de trabalhos forçados ou mesmo fuzilamento.

13. Navegar na internet

Facebook, WhatsApp? Jamais. Na Coréia do Norte é proibido fazer uma ligação internacional, imagine ter acesso a redes sociais que tem contato com o mundo inteiro. No país de Kim Jong-un, não existe internet livre, e sim um tipo de portal de propaganda estatal. Apenas os membros do governo com altos cargos, cidadãos estrangeiros e jornalistas podem ter acesso a internet, e mesmo assim, em uma rede altamente controlada por agências especiais de segurança do país.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

REDES SOCIAIS

Parceiro